O QUE FAZEMOS

Tratamento de Hemorroidas

 

Na Clínica de Hemorroidas primamos por prestar um serviço personalizado, nas mais diversas vertentes
  • Coloproctologia

    Doenças do colon, recto e ânus

  • Cirurgia geral

    Aparelho digestivo e hérnias

  • Exames ano-rectais

    Anuscopia e rectoscopia

  • Cirurgia anal

    Cirurgia com ou sem internamento.

 

 

 

 

Tratamento eficaz de


Tratamento das Hemorroidas

As hemorroidas (doença hemorroidária) só necessita de tratamento se apresentar sintomas.

 



Nas consultas de proctologia tratamos de casos de doença hemorroidária:


  • Crises Hemorroidárias

  • Prolapsos Hemorroidários

  • Tromboses Hemorroidárias

  • Hemorragias Anais

  • Dor Anal Aguda

  • Medidas preventivas


Realizamos os mais avançados e inovadores tratamentos das hemorroidas:


  • Tratamento médico ou instrumental (esclerose/ligadura elástica)

  • Cirurgia moderna - operação de Longo (hemorroidopexia)

  • Cirurgia a laser

O tratamento pode ser médico, instrumental ou cirúrgico, podendo este ultimo ser realizado em regime de ambulatório ou internamento.

O Tratamento Médico das Hemorroidas tem como objetivo o alívio inicial dos sintomas:

  • Regularização do trânsito intestinal (dieta rica em fibras e água, evitar álcool e picantes)

  • Banhos de assento com água morna

  • Evitar esforços defecatórios excessivos

  • Combater o sedentarismo

  • Evitar posição sentada contínua

  • Medicação

Recorre-se ao Tratamento Instrumental das Hemorroidas

Quando o tratamento médico não resulta estas técnicas permitem atrasar a evolução do processo por algum tempo embora não curem definitivamente a doença hemorroidária.

São técnicas simples, sem necessidade de anestesia, e realizadas no consultório.


Esclerose


A injeção a nível da submucosa do ânus duma solução esclerosante de polidocanol a 0.5% produz uma fibrose que leva a uma fixação da mucosa aos planos profundos assim como a uma diminuição da vascularização local, com respectiva diminuição do prolapso e da hemorragia.

Está indicada apenas em hemorroidas internas de pequeno tamanho e hemorrágicas. Está conta indicada na crise hemorroidária.

 

Ligadura elástica


Esta técnica consiste na introdução dum anel elástico na base da hemorroida, acima da linha pectínea, de modo a produzir um estrangulamento com consequente necrose da hemorroida. Forma - se assim uma pequena úlcera, localmente, cuja cicatrização conduz à fixação da mucosa aos planos profundos.

A aplicação do anel é feita com um aparelho especial que se introduz pelo anuscopio. Esta técnica está indicada em hemorroidas internas grau 2 e algumas de grau 3, sem componente externo importante.

A Cirurgia das hemorróidas

Por muitos erradamente considerada uma “cirurgia minor”, não é isenta de riscos ou complicações graves, sobretudo quando realizada por cirurgiões sem experiência reconhecida nesta área.

A Cirurgia Proctológica há já muitos anos que é considerada no estrangeiro como uma sub - especialidade da Cirurgia Geral, (integrando a Coloproctologia) o que mostra bem a importância que nesses países se dá á diferenciação cirúrgica.

O sucesso duma cirurgia às hemorróidas (como em qualquer outra patologia) depende principalmente da experiência do cirurgião nesse tipo de cirurgia, independentemente dela ser feita em regime de internamento ou em ambulatório ou sob anestesia geral ou local.


Cirurgia em ambulatório

Hoje em dia grande parte da cirurgia hemorroidária, e proctológica em geral, pode ser feita em ambulatório,desde que se selecionem bem os casos e o doente esteja de acordo.

O aparecimento recente duma nova técnica cirúrgica - PPH TÉCNICA DE LONGO - veio definitivamente revolucionar o tratamento da doença hemorroidária,tornando o pós-operatório muito menos doloroso e sem necessidade de recorrer a pensos, contudo esta técnica não está indicada para todos os doentes como veremos à frente, e só deve ser efectuada por cirurgiões muito treinados e familiarizados com a técnica.


Indicações

De todos os doentes que sofrem de hemorroidas apenas 10% a 15% necessitam de ser operados. As principais indicações cirúrgicas são:
  • Falência do tratamento médico ou instrumental

  • Existência de lesões anais associadas (fissura anal, condiloma)

  • Hemorragia

  • Prolapso

  • Tromboses de repetição


Tipos de cirurgia mais frequentes
(a sua indicação varia consoante os casos)

Hemorroidectomia de Milligan-Morgan

Cirurgia a Laser

Hemorroidopexia - PPH (Técnica de Longo)

Cirurgia HAL/RAR



Contraindicações para a cirurgia

  • Contraindicação de ordem anestésica

  • Alterações graves da coagulação

  • Perturbações da continência anal

  • Doença de Crohn

  • Imunossupressão


Indicações para o dia da Cirurgia

  • Jejum 7 horas antes da cirurgia

  • Proceder à limpeza do canal anal com microclisteres (Microlax - 2 unidades de manhã cedo)

  • No caso de estar a fazer medicação (hipertensão, diabetes, anticoagulantes...) seguir as instruções dadas pelo seu médico na consulta pré-operatória

  • Informar o seu médico de qualquer alteração que ocorra após a consulta pré-operatória

  • Levar exames analíticos e electrocardiograma

  • Caso vá ser operado em regime ambulatório levar alguém que o acompanhe no regresso a casa

  • Na cirurgia com internamento este não será, em princípio, superior a 24 horas


Cuidados a ter no pós-operatório

  • Medicação analgésica e anti-inflamatória

  • Fazer banhos de assento

  • Regularizar o trânsito intestinal

  • Vigiar cicatrização da ferida operatória regularmente

  • Despistar e tratar possíveis complicações: retenção urinária, abcesso, estenose, fecaloma, fissura, ...

Cirurgia Clássica

Hemorroidectomia de Milligan-Morgan

Consiste na exérese de 3 pedículos hemorroidários com conservação de 3 pontes cutâneo-mucosas de cerca 1cm de modo a evitar o aparecimento de estenose anal.

A ferida operatória fica aberta e a cicatrização faz-se por segunda intenção num período de 6 – 8 semanas.

É considerada uma técnica aberta ao contrário da HEMORROIDECTOMIA DE FERGUSON em que se procede ao encerramento da ferida operatória no fim da cirurgia.

 


Cirurgia a Laser

Laser intrahemorroidário

Consiste na destruição do tecido hemorroidário através da aplicação do laser.


É uma técnica muito recente (laser intrahemorroidário) que pode dar bons resultados em doentes bem selecionados.


O Dr. António Araujo Teixeira foi o cirurgião “pioneiro" desta técnica na Cuf Porto em Dezembro de 2016.


 


Cirurgia Moderna

pph - procedimento para prolapso hemorroidário - técnica de Longo

O tratamento cirúrgico da doença hemorroidária por redução do prolapso mucoso anal mediante a utilização de um agrafador circular é uma técnica original que foi concebida em 1995 por um cirurgião italiano - Dr. Antonio Longo , Serviço de Cirurgia da Universidade de Palermo.

Após algum cepticismo inicial em relação a esta abordagem não convencional, centenas de cirurgiões treinados aplicam actualmente esta técnica pelo mundo fora.

Durante o mesmo ano, o Dr. Longo apresentou a ideia de reduzir o prolapso da mucosa rectal utilizando este mesmo agrafador circular, proposta esta que tem sido bem recebida e tem dado resultados muito encorajadores no tratamento do prolapso rectal e rectocelo.

Indicações

A técnica está indicada no prolapso hemorroidário dos graus II, III e IV. Está contra indicada nos casos de prolapso apenas de uma hemorroida e nos casos de prolapso de grau IV, quando a anoderme não tem a suavidade suficiente para poder ser reduzida no canal anal,devido a fibrose.

Anestesia

A operação pode ser efectuada com anestesia geral, local ou loco - regional,quer em regime de internamento ou de ambulatório conforme as condições do doente.

Vantagens da Operação
  •  Cura ou melhoria significativa dos sintomas pré-operatórios
  •  Tempo operatório reduzido (10 minutos)
  •  Pouco ou nenhum desconforto pós–operatório
  •  Complicações pós operatórias pouco frequentes se efectuada por cirurgião treinado
  •  Recuperação pós operatória rápida
  •  Bons resultados estéticos
  •  Baixa taxa de recidivas se os doentes forem bem selecionados

 


Cirurgia HAL / RAR


consiste na laqueação das artérias hemorroidarias guiada por doppler associada a uma pexia das hemorroidas.


É talvez a técnica menos utilizada devido á sua complexidade e tempo de execução , não sendo tão eficaz na redução do prolapso.



 


Tratamento da Fissura Anal

O objectivo do tratamento da fissura é a diminuição da dor e do espasmo esfincteriano que a acompanha assim como obter a definitiva cicatrização da fissura.
A primeira abordagem terapêutica nos doentes com fissura anal crónica deve ser médica, sendo contudo necessário recorrer à cirurgia em cerca de 30% - 50% dos casos.

O tratamento médico consiste nas ações seguintes:

  • Regularização do trânsito intestinal - ingestão de fibras, água, uso de laxantes

  • Pomadas anestésicas e cicatrizantes – vitamina A+D, óxido de zinco, sucralfate

  • Higiene local – banhos de assento

  • Injeções locais:
        - produtos esclerosantes
        - toxina botulínica

No Tratamento Cirúrgico

A técnica mais vezes utilizada é a Esfincterotomia lateral interna que, produzindo um alívio imediato da dor, leva a uma cicatrização da fissura em duas semanas sem grande desconforto no pós – operatório.

A técnica é geralmente realizada sob anestesia geral,em regime de internamento ou ambulatório.

A sua taxa de sucesso ronda os 98%, quando correctamente realizada, sendo contudo de referir a possibilidade de surgir, em alguns casos, uma incontinência ligeira, sobretudo para gases, que pode ir até aos 20% e é geralmente passageira.

Outras complicações raras mas possíveis são o aparecimento de hematoma,abcesso ou hemorragia pós-operatória


Indicações

  • Fissura crónica

  • Fissura recidivada

  • Fissura complicada de abcesso, fístula ou estenose


Técnicas operatórias

  • Esfincterotomia - consiste na seção parcial das fibras do esfincter interno diminuindo assim a sua hipertonicidade

  • Fissurectomia - consiste na exérese da fissura podendo ou não ser associada à esfincterotomia

  • Anuplastia - consiste em fazer uma plastia, à custa da mucosa anal, após a fissurectomia

Tratamento da Fístula Anal

O tratamento do abcesso e fístula anal é exclusivamente cirúrgico e deve ser realizado o mais precocemente possível
para evitar o aparecimento de complicações graves como infeção generalizada (septicemia).
O uso de antibióticos por si só não resolve a situação e é um erro grave que apenas leva a um atraso da cirurgia.

No Tratamento Cirúrgico

O tratamento do abcesso e fístula anal é exclusivamente cirúrgico e deve ser realizado o mais precocemente possível para evitar o aparecimento de complicações graves como infeção generalizada (septicemia). O uso de antibióticos por si só não resolve a situação e é um erro grave que apenas leva a um atraso da cirurgia.


Abcesso anal

O abcesso anal depois de diagnosticado constitui uma urgência cirúrgica. O seu tratamento consiste na incisão e adequada drenagem, sob anestesia geral.




Fístula anal

O tratamento da fístula anal é cirúrgico e tem 2 objectivos:

  • Tratar a fístula evitando a sua recidiva

  • Preservar a continência anal respeitando a integridade do esfincter anal


A cirurgia a realizar depende da localização da fístula e da sua relação com o aparelho esfincteriano.

Nas fístulas complexas, que apanham muito músculo, pode ser necessário realizar a cirurgia em 2 tempos operatórios e proceder à colocação de sedas (setons) de modo a seccionar lentamente o esfincter anal, evitando assim uma situação de incontinência anal.



As técnicas cirúrgicas mais utilizadas são:

  • Fistulotomia – abertura e curetagem do trajecto fistuloso

  • Fistulectomia – exérese do trajecto fistuloso

Complicações pós operatórias mais frequentes

  • hemorragia: 1,2%

  • incontinência para gazes: 11%

  • defeito da cicatriz: 6%

  • recidiva: percentagem variável dependendo do tipo de fístula


Cuidados pós operatórios

  • antibioterapia

  • realização de pensos diariamente

  • vigilância da ferida operatória pelo cirurgião até à sua cicatrização completa

Tratamento do Quisto Pilonoidal

O tratamento do Quisto Pilonoidal é apenas cirúrgico: Exérese cirúrgica.

 

 

O Tratamento Cirúrgico do Abcesso Pilonoidal

É considerado uma urgência cirúrgica.

Deve ser drenado sob anestesia local ou geral e vigiado no pós operatório.


Quisto Pilonoidal

Deve-se proceder à sua exérese cirúrgica com remoção não só do quisto mas também de todos os trajectos secundários.

A ferida operatória poderá ou não ser encerrada de imediato optando-se, na maioria dos casos, pela cicatrização por segunda intenção.

O doente deverá realizar pensos diários até à cicatrização completa da ferida.

Tratamento do Prurido Anal

O tratamento do Prurido Anal é apenas Médico.

 

 

O Tratamento Médico do Prurido Anal

Tratamento de Hérnias

O tratamento das Hérnias é apenas Cirúrgico.

 

 

Reliza-se Tratamento Cirúrgico das Hérnias:

  • Epigrásticas

  • Umbilicais

  • Inguinais


  • Locais

    Porto
    Lisboa
    Algarve
    Aveiro
    Viseu

  • Urgências

    966 022 925

  • Patologias

    Hemorroidas

    Doença Hemorroidária

    Trombose Hemorroidária

    Fissura Anal

    Abcesso e Fístula Anal

    Quisto Pilonoidal

  • Website

    www.clinicahemorroidas.com